14 maio 2013

F-U-C-K (dito com pronúncia inglesa que eu gosto mais)


Sabem, hoje tive que acordar às 7h para ir levar a minha irmã a fazer um exame de estudos da língua francesa, para ver se está pronta para passar para um nível acima no apoio da língua.
Enquanto ela ficou por lá, eu e o G. fomos dar uma volta... Decidimos ir conhecer um centro comercial que ainda não conhecíamos, visto que o tempo estava chuvoso e ventoso.
Apanhámos algumas estradas cortadas, o que nos obrigou a dar umas voltas a mais não previstas no roteiro, com isso nunca mais descobríamos o parque onde queriamos estacionar e acabámos por parar num estacionamento qualquer. Quando ficámos na dúvida se tinhamos que "meter moedinha" ou não (uns carros tinham ticket, outros nem por isso), eu disse "Estamos no Leclerc não tarda!".
Entro no carro, dou à chave e o paneleiro do carro não pegou. Uma, duas vezes... mais uma e outra vez... Nada! Abri o capôt (para dar um ar de filme), sentei-me dentro do carro, aguardei 10 minutos... Dei à chave novamente e pegou como se nada fosse.
Fomos à nossa vida sem pensar muito no assunto. Parámos mais uma vez e depois voltou a pegar normalmente.
Quando já estavamos os 3 juntos e regressávamos para casa, o carro já não pegava outra vez. Passados instantes lá pegou e viemos para casa.
Depois de almoço fomos dar umas voltas e quando parámos o carro em frente ao prédio onde os meus pais moram (simplesmente a rua mais movimentada cá do sítio), quando me quis ir embora ele já não pegou mais.
A princípio, lá veio o meu pai ver. Depois foi buscar a caixa das ferramentas e já com a sua bata vestida e as luvas a preceito, eu vi que era coisa para demorar e fui estrear o triângulo que ainda estava tão bonitinho e limpinho dentro do plástico e da caixa.
Rien à faire! O meu pai (mecânico de profissão, vida e coração) não estava a ver qual o problema do paneleiro do carro. Isto não é nada bom sinal.
Só nos restou empurrar o carro até à garagem de marcha-atrás, na rua mais movimentada da vila. Mas não, ninguém refilou.

Perante este acontecimento, tenho as seguintes opções:
a) deprimir
b) pensar que até tivemos sorte em conseguir chegar a casa
c) pensar que aquilo vai ser só um fio fora do sítio e não vou ter que gastar dinheiro que não tenho
d) pensar que posso preparar umas valentes massas (onde é que elas estão?) para resolver o problema
e) metaforizar isto tudo e achar que isto aconteceu porque o sporting está de rastos e o facto do emblema da marca do meu carro ser um leão, deu nisto

O que é que acham?

8 comentários:

  1. Gostava de responder qualquer coisa séria...mas adorei a última hipótese...!
    Bjs
    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes temos que saber rir das coisas, mesmo das menos boas...

      Eliminar
  2. Achei todas interessantes, acrescentando: f) O meu G é um amoroso que está comigo para o que der e vier ;) e mais logo faz-me uma massagem de corpo inteiro para ajudar a passar esta crise...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não me vou esquecer disso! Olha que está aqui registado :P

      Eliminar
  3. Eu ia para a opção B) :)

    Obrigada pela dica de peniche! Estivemos lá o ano passado e adoramos Peniche! Desta vez queria algo diferente :)

    Paulinha

    ResponderEliminar

E vocês, o que acham?!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...