27 novembro 2013

A colega maravilha


Quando comecei a trabalhar aqui em França foi na dita cuja empresa onde já não estou.
Foi tudo muito rápido entre enviar a candidatura, ser contactada para ir à entrevista, a entrevista e começar a trabalhar. Todo este primeiro processo foi com uma pessoa responsável por gerir a agenda dos e os trabalhadores. Depois lá fiz umas horas com a colega que iria substituir durante todo o mês de Agosto.
Quando me lancei aos bichos a trabalhar sozinha, sem qualquer tipo de orientação para um trabalho que não era "a minha praia", apareceu uma colega maravilha para me dar uma "mãozinha" de vez em quando e a quem eu encomendava os produtos em falta e reportava todas as anormalidades que pudessem acontecer. Essa colega maravilha era super gentil, engraçada, comunicativa e ajudava-me sempre que aparecia e via que eu estava um pouco atrasada, por ainda não ter o tal sentido de orientação para aquele trabalho.
Quando a outra colega voltou de férias, fui rapidamente posta a trabalhar noutro sítio que seria só meu, porque era uma óptima trabalhadora. Uma enorme área onde eu poderia gerir como fazer as coisas da melhor forma e onde ninguém poderia meter problemas, excepto a colega maravilha.
As avaliações corriam sempre bem. Eu era uma óptima trabalhadora. Tudo corria bem, excepto algumas avarias numa certa máquina, em que ainda me tentaram meter as culpas. Mas eu continuava a confiar na colega maravilha! Até ao dia em que eu cometi um erro, ela viu, disse-me para fazer assim porque não iria haver algum problema e eu confiei nela.
No dia seguinte recebi um telefonema da pessoa responsável por gerir os trabalhadores, a avisar-me de que tinha cometido uma falta grave e de que iria receber uma notificação pelo correio. Dias depois recebi uma convocatória para me apresentar na sede da empresa para ter uma reunião com o gerente e apresentar as minhas justificações por ter cometido tal falta. Falta essa que poderia levantar uma sanção - desde um processo disciplinar até ao despedimento, passando por uns dias de suspensão do trabalho ou do salário.
Engoli em seco e jurei que a colega maravilha nunca mais me iria ver os dentes.
Uma vez que levantei os argumentos certos no decorrer da reunião com o gerente da empresa, acabei por levar apenas um processo disciplinar. O que não é "apenas um processo disciplinar", porque no dia em que uma futura empresa onde possa trabalhar se lembrar de pedir referências, esse "apenas um processo disciplinar" vai lá estar, independentemente das causas, não deixa de ser uma porcaria.
A partir daí a colega maravilha evitava ao máximo de se cruzar comigo. Até ía às 5h da manhã deixar as encomendas, só para não nos cruzarmos, quando antes ía sempre no meu horário para falarmos um bocado. Eu agradecia não meter-lhe a vista em cima, porque sabia que não iria correr bem.
No dia em que ela apareceu lá para me fazer mais uma avaliação, deu-me uma avaliação tão má como nunca tinha tido antes, sem razão para tal. Começou a levantar suspeitas sobre a minha tendinite, a falar-me das férias que eu não iria ter impossibilitando-me de ir ao baptizado do meu sobrinho e outras coisas tais.
Eu abri a boca e não deixei nada por dizer.
Deixaram-me ir de férias apenas uma semana, não me deixando ir, ainda assim, ao baptizado.
Poucos dias depois enviaram-me uma carta a modificar os meus horários, sabendo de antemão que não eram compatíveis com o meu trabalho principal, logo teria de recusar.
Recusei e fui despedida. 
E não fui ao baptizado do meu sobrinho nem sou madrinha dele por causa destes grandes camelos.

Obrigada colega maravilha. Lá maravilhas sabes tu fazer!

7 comentários:

  1. Inacreditável o que algumas pessoas são capazes de fazer...e a troco do quê???? Mistério!!!!
    Beijinhos amiga
    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E o pior é que pessoas destas parece que cada vez mais existem a cada esquina... Às vezes penso que não faço a mínima ideia de onde poderei estar "enfiada" apenas por trocar duas palavras com alguém.
      Isto de vir para um sítio desconhecido tem as suas desvantagens. É complicado começar a confiar em alguém, depois de episódios como este.
      Beijinhos

      Eliminar
  2. nem si o que te diga, há pessoas assim tão egoístas que metem dó :S a única coisa positiva é lá não estar lá mais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podes crer... não estar mais naquela empresa é mesma uma coisa positiva. Eu própria já me andava a passar com aquilo. Mas normalmente quem precisa do trabalho tem que baixar as orelhas, então deixei-me lá estar... até ao dia em que me fizeram o caldinho.
      Pesa-me bastante na carteira, mas pronto... Tudo se há-de resolver!

      Eliminar
  3. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
    Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
    decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
    siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela sua visita e pelas suas boas e belas palavras, António!
      Normalmente meto carinho em tudo o que faço, mesmo que seja a coisa menos importante do mundo.
      Irei visitar o seu blog.
      Não hesite em voltar aqui :)

      Eliminar
  4. ai linda, parece que por aqui proliferam dessas colegas maravilha...uma pessoa não pode confiar em ninguém, é uma selva...quanto às motivações, creio que é mesmo pura maldade....(C. do antigo blog sobre paris)

    ResponderEliminar

E vocês, o que acham?!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...